Smart City Expo Curitiba debate transformação das cidades em territórios sustentáveis e inteligentes

O Smart City Expo Curitiba 2022, maior evento brasileiro de cidades inteligentes, contou com uma série de painéis que abordaram a transformação das cidades em territórios sustentáveis e inteligentes. Durante os dois dias de evento foram debatidos temas relacionados a forma de viver nas cidades, papel dos gestores públicos nas ações de sustentabilidade, o desenvolvimento de cidades inteligentes e a relação destes temas com a qualidade de vida da população.


Quem abriu a rodada de discussões foi um dos mais prestigiados urbanistas do mundo, o colombiano Gil Peñalosa. O palestrante falou sobre cidades inteligentes equitativas e sustentáveis, onde todas as pessoas vivem mais saudáveis e felizes. Peñalosa - que é fundador e presidente da organização canadense sem fins lucrativos 8 80 Cities - falou que as cidades devem ser pensadas para todos e não apenas para quem tem 30 anos. 

“Temos que encarar a realidade: a imensa maioria das cidades não é sustentável, para não dizer que são medíocres. Precisamos criar locais radicalmente diferentes. Hoje, vivemos a oportunidade trazida pela pandemia, forçando um cenário de mudanças que levaríamos décadas para implantar. Precisamos de comunidades saudáveis dos 8 aos 80 anos: boas cidades para todos, não apenas para pessoas de 30 anos.”, analisou


De acordo com Peñalosa, a pandemia chegou quando pensávamos em cidades inteligentes e mudanças climáticas. “Alguns dizem que tudo mudou. O que mudou foi a nossa percepção, em que o ‘invisível se tornou visível’. Sentimos mudanças negativas, como a falta de equidade, mas também mudanças positivas, como o ar mais limpo quando havia menos carros circulando nas cidades. Vimos também cidades fazendo transformações que antes não faziam, alegando falta de verba, informação ou cultura. Algumas criaram redes de ciclovias protegidas em certos dias, transformaram campos de golfe em parques públicos em 24 horas, converteram ruas em zonas livres de carros em áreas com falta de parques\", cita o urbanista.


Segundo dia trouxe temas sobre cidades mais humanas e inteligentes

O painel de abertura do segundo dia de evento trouxe para debate quais são os pontos de mudanças para cidades mais sustentáveis e com melhor qualidade de vida para os seus habitantes. A palestra, conduzida pelo mexicano Hugo Isaak Zepeda, especialista em urbanismo de renome internacional, destacou os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU). Durante a conferência foram citadas algumas das metas importantes para a humanidade, como combate à pobreza e à fome, além de uma agenda de iniciativas que devem ser realizadas até 2030. 

Zepeda defende que a evolução deve ser feita a partir do conhecimento e da educação. O especialista discute também sobre a importância de uma nova agenda urbana que trará um novo caminho para a inovação nas cidades. \"Segundo a ONU, temos hoje 55% da população mundial vivendo em áreas urbanas. Essa porcentagem deve aumentar para 70% até 2050. Caminhamos para a era da inteligência artificial e devemos achar formas de implementar essa tecnologia para o benefício das pessoas em seu cotidiano. Devemos desenvolver as cidades para a forma que vivemos e transitamos atualmente.”

E completa provocando: \"Precisamos simplificar a vida.\"

Já os painéis com as participações de Piero Pelizzaro, resilience officer city de Milão, na Itália, e Cynthia Mattos, gerente da unidade de projetos especiais da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), abordou a inovação em cidades inteligentes e a qualidade de vida impulsionada por territórios pensados para as pessoas.

Pierro apresentou a estratégia de adaptação de Milão, que é baseada em pilares como governança, direitos, inclusão, economia, recursos, valores, sustentabilidade, “timing”, espaço, serviços e trabalho. \"Trabalhamos na implementação de medidas focadas no socioambiental. Também buscamos a participação ativa das pessoas que vivem em Milão e que são as principais beneficiadas pelas transformações da cidade. Por isso decidimos ouvir os cidadãos, as necessidades que surgiram durante a epidemia e as propostas para a Milão de amanhã\", comenta.

Cynthia apresentou um panorama da ABDI sobre economia circular como condição para cidades mais inteligentes e sustentáveis. Segundo a especialista, precisamos olhar para as necessidades identificadas durante a pandemia. \"Teremos aproximadamente 90% dos brasileiros vivendo em cidades até 2030 e um contínuo envelhecimento populacional. Isso deve gerar um aumento de 70% na geração de resíduos. Já pudemos identificar um aumento na geração de lixo por causa do isolamento social decorrente da pandemia. Por isso é tão relevante a adoção de políticas públicas que combinem o desenvolvimento de tecnologias com o engajamento da população para disseminar as transformações que surgirem a partir delas. Estes são alguns dos caminhos para que cidades inteligentes possam contribuir com a qualidade de vida do cidadão.\"

Smart City Expo Curitiba 2022 bate recorde de público

Cerca de 10,2 mil pessoas de 30 nacionalidades, 50 empresas, organizações e prefeituras de todo o Brasil, 95 palestrantes de dez países. Os números da terceira edição do Smart City Expo Curitiba, que terminou na última sexta (25) no Centro de Eventos Positivo (Parque Barigüi), impressionam e consolidam a capital paranaense no panorama global de cidades inteligentes. A análise é de Ricard Zapatero, CEO da Fira Barcelona, que chancela o evento pelo globo. “É uma satisfação poder voltar a Curitiba com um evento presencial, marcando o início da agenda anual do Smart City Expo pelo mundo. A pandemia nos mostrou que não há nada como eventos presenciais na geração de negócios, acordos e investimentos. E os eventos agora estão se mostrando mais exitosos, com as pessoas ansiosas para se reencontrarem pessoalmente. Curitiba foi um grande exemplo nesses dois dias. O evento mobiliza muito as pessoas e faz com que as cidades desejem sediá-lo. Já recebemos muitas propostas de cidades brasileiras, mas seguiremos em Curitiba”, disse Zapatero.

O evento é organizado desde 2018 pelo iCities Smart Cities Solutions – hub de negócios e soluções em cidades inteligentes pioneiro no Brasil, sediado em Curitiba. “É uma satisfação para o iCities fomentar pela terceira vez esse ambiente de networking em inovação entre o poder público, a iniciativa privada e a academia, que é o Smart City Expo Curitiba. Mesmo diante da pausa forçada de dois anos pela pandemia, as edições crescem tanto em qualidade do conteúdo apresentado no congresso e nos estandes da feira de exposição, quanto em quantidade de engajamento e público, presencial e remoto. É uma missão que a nossa empresa, nascida em Curitiba há 11 anos, vem desenvolvendo com entusiasmo pelo Brasil enquanto hub de negócios e projetos”, celebra Beto Marcelino, sócio-fundador e diretor de relações governamentais do iCities.

Com entrada gratuita e arrecadação de alimentos para entidades beneficentes, a área de exposição reuniu 50 estandes de empresas e organizações que desenvolvem soluções inteligentes para melhorar a vida no planeta. Com apoio da Prefeitura de Curitiba, Agência Curitiba, Vale do Pinhão, Copel, Sanepar, BRDE e Compagas, o evento foi patrocinado por empresas como ABDI, Indra/Minsait, Mastercard, Sebrae Paraná, Renault, Enel X, Planet Smart City e Geotab.